28 setembro, 2007

O que lhe vai na alma - IV.

Eis o nosso convidado de Setembro:

Foto Berdades - Setembro 2007
Senhor Padre Rui Pontes, pároco de Santana, lha e Faial, natural de Câmara de Lobos, nascido a 9 de Janeiro de 1974.
No decurso da sua caminhada para o sacerdócio foi instituído diácono a 5 de Setembro de 1998 e sacerdote no dia 4 de Setembro de 1999. Frequentou o ensino básico (até ao 6º ano) em várias escolas públicas, tendo entrado no Seminário diocesano em 1987 para frequentar o 7º ano, com cerca de 13 anos. Saiu do seminário no 8º ano tendo completado o 9º ano na escola do Estreito de Câmara de Lobos. Frequentou o ensino secundário na Escola Dr. Ângelo Augusto da Silva, no final do 11º ano decidiu entrar novamente no Seminário. Em Lisboa, no Seminário dos Olivais, colaborou na Pastoral da Paróquia de S. Eugénio (Bairro da Encarnação) e na Paróquia da Portela. Já ordenado diácono, no Funchal, colaborou na Paróquia de S. Gonçalo, com o Pe. Alberto. Depois da Ordenação Presbiteral, esteve umas semanas a colaborar com o seu Pároco (na Paróquia do Carmo) e depois recebeu a nomeação de Pároco para a Paróquia de Santana e da Ilha. Em 2002, a pedido do Sr. Bispo D. Teodoro de Faria, passou também a acumular com a Paróquia do Faial.
O que lhe vai na alma, às questões colocadas pelo Berdades, é o que vamos já saber.







11 comentários:

Rui Caetano disse...

Admiro imenso estes homens que se dedicam ao sacerdócio, optando por uma vida com tantas limitações e sacrifícios. Aqueles que levam esta vocação a sério merecem todo o nosso respeito e consideração.

Anónimo disse...

É um facto, que o berdades já nos habituou com a qualidade, que denota não só nas questões, como nas escolhas das individualidades. Parabéns por isso.
Quanto à entrevista. O Sr. Padre tem razão em tudo o que diz, o que talvez deveria era ser mais sucinto nas respostas.
Um aparte comum, nas missas (principalmente as Dominicais)os sermões tendem a ser grandes, algumas vezes afastam-se da MENSAGEM, depois reza-se apressadamente, quase nem se percebe o que se reza, nem se interiorizam essas rezas, essas mensagens, etc . Na mais húmilde opinião, os "sermões" deveriam ou poderiam ser mais curtos, e rezar-se pausadamente, de modo a sentirem-se essas preces.
De resto, (também já me afastei do tema), muitos parabéns ao Sr. Padre Rui pelo que tem conseguido, e pela forma como tem participado nas mais diversas actividades, junto de tudo e todos.
Parabéns a todos, os fieis também...

Católico praticante disse...

Muitos parabéns ao berdades, de facto esta rubrica é muito ansiada por nós para saber o que vai na alma dos nossos ilustres.
Em boa hora entrevistou o Sr. Padre Rui que realmente esmerou-se nas respostas (se calhar aproveitou o tempo de antena deste magnifico blogue) como às vezes nos sermões como refere o comentário anterior. De qualquer maneira adorei bastante a entrevista e tal como aconetceu nas anteriores as perguntas também foram bem direcionadas, algumas delas, o pensamento do que o povo costuma ter ou dizer à boca pequena.
Devo confessar que o Sr. Padre Rui está diferente e para melhor, pois no inicio andava "meio escodnido" mas agora não, aparece, convive, fala, etc. Pena que realmente que tenha muito trabalho, pois tratar das 3 paróquias não é tarefa fácil.
Uma questão ficou-me na retina: gosta de futebol, mas qual o seu clube?

A. Freitas (Funchal) disse...

Boas perguntas mas respostas muito grandes, mas feitas com intenção de "pescar" algumas ovelhas para o rebanho. Penso eu de que...
Parabens ao Berdades e Felicidades ao Sr. Padre Rui que é um jovem.

Anónimo disse...

Gostei do que lí.
Felicito o Reverendíssimo Padre Rui Pároco de Santana, Ilha e Faial.
A Igreja, o Povo de Deus, são todos nós, que participamos na Eucarístia.
A Eucarístia, quando bem participada, não influí no tempo (horas). Os sermões já não existem. Existe a Homilía. Não é fácil para um sacerdote, falar para uma plateia onde estão crianças e adultos. E sobretudo quando nos adultos existem pessoas mais cultas e menos cultas.
Agora sou de opinião que se fale nas homilías, temas que tenham a vêr com as Leituras e o Evangelho do dia.
Fico triste quando vejo sacerdotes nas homilías, criticarem alguém da Sociedade. Isso acontece na nossa Sé Catedral do Funchal, isso chega mais até nós talvez pela comunicação Social estar alí perto. Para criticarmos, temos que ter muita atenção. Temos que ponderar e saber se temos a nossa casa bem arrumada.
O problema maior das Paróquias e da nossa Diocese, são a falta de vocações. O Nosso Clero está envelhecido e a Juventude está alheia a este problema porque não vê Sacerdotes Jovens a Frente do Rebanho.
M.J.Freitas

Anónimo disse...

Com todo o respeito pelo entrevistado e por tudo o que representa, penso que havia muito mais por dizer e questionar também. E o papel social da igreja? É só envangelizador? E as graves carências que as paróquias apresentam? Esta era uma boa ocasião para o fazer... não falo de política, mas sim do alcoolismo, das clivagens familiares, do abandono escolar... só religião foi afunilar um pouco a entrevista.
Em relação a algumas das justificações para o uso do salão paroquial, até parecem mal... parece-me simples a resolução: faz-se uma vistoria anterior à cedência, após o uso uma outra, o que estiver danificado tem de ser pago, senão não utiliza mais! Agora dizer que a funcionária não tem disponibilidade para analisar os pedidos?! Um grande bem haja a todos

hsilva disse...

Gostei da entrevista, o sr. padre Rui pode ter respostas longas mas tem contéudo, pena que ele seja culto demais para a audiencia que tem. É alguem muito competente e tem feito com passos pequenos uma evoluçao à paroquia.
Em relação ao salao paroquial só lhe dou a razao: os grupos e as pessoas infelizmente ainda parecem saídos da pré-historia - e bem que deviam pensar em criar condiçoes proprias e depois ver se agiam como animais.
Quanto ao facto de a juventude não "alinhar" o mal é geral porque também em relação ao desporto existe um abandono. Existe uma falta de valores e uma falta de vontade generalizada e os novos sitios de culto e de treino vendem tudo em doses mini ou shot :-)

RegiCe disse...

Após uma abordagem ao desporto, seguindo-se outras à política, a expectativa de ver a “alma a ser revelada” no mês de Setembro era enorme… e não foi defraudada!
A escolha do Sr. Berdades por uma personalidade relacionada com a Igreja foi habilidosa!
É de bom grado que verificamos a participação activa do Sr. Pároco, nas actividades que decorrem no concelho e sempre tentando cativar a juventude para nelas estarem incluídas.

António Abreu disse...

Mais uma vez o BERDADES surpreendeu com a entrevista que fez, desta vez foi com a pessoa certa para esta rubrica "O que lhe vai na alma" ou seja aqui os papéis inverteram-se o Sr. Padre, confessa-se ao BERDADES e ao POVO.

Acho que as perguntas foram bem colocadas, pois foi do gênero aquilo que o POVO questiona mas tem vergonha de perguntar, naturalmente que outras perguntas haveria como alguém já referiu anteriormente mas também não acho que deva ser tudo o Sr. Padre a resolver. Para que são os técnicos da Segurança Social as chamadas assistentes sociais, no tempo da "Menina Bernardete", como era conhecida, que também foi catequista, lembra-me dela perfeitamente a ir porta a porta resolver algumas situações, hoje em dia ficam-se talvez pelos gabinetes...

Em relação aos psicologos que o Sr. Padre Rui diz desconhecer, fique sabendo que existem no Concelho, penso que deve ser apenas falta de conhecimento.

Quanto ao salão paroquial, se a funcionária não pode, é muito simples ou as pessoas, organizações, associações, etc, que usam o salão paroquial, recebem a chave, o director, presidente, organizador do evento, ficavam encarregues da mesma e no final combinam a entrega da chave, se houver descuidos com a limpeza e estragos nas instalações, PAGAM o que estraviaram e acabou-se, pois nesta terra estão habituados a ter tudo de BORLA. Se chegar o tempo do UTILIZADOR PAGADOR...

Parabéns pelo seu trabalho pois por maior esforço que faça o Sr. Padre Rui não é de ferro, gerir TRÊS paroquias e pessoas não é tarefa fácil.

Até Domingo.

Anónimo disse...

Quem sou eu para falar ou a minha opinião ser ouvida mas de todos os Padres que "conheci" para mim é dos melhores. Porque? Porque acho que a missa com ele é algo actual transpoe as coisas para o espaço de tempo actual; sabe dizer as coisas; tem o dom da palavra; diz muitas verdades sem as dizer e etc. Embora ele não seja de agrado de todos, não sei o que as pessoas querem. Coisas perfeitas?? Não existem. As pessoas são como as canas, ora pendem para um lado ora pendem para outro... lolol
Por fim Santana tem um bom Padre há que aproveita-lo pois tem feito muito pela nossa terra mas lembrem-se sempre que é apenas um mensageiro, respeitem-no ele não é Perfeito.
Gonçalo

Pedro Nóbrega disse...

É com alegria que li as palavras do Pe. Rui. Sem duvidas que as suas respostas transmitem muito o que pensa.
Na verdade o papel de um paroco deve ser sempre valorizado quando bem feito e, pelos vistos a esse nivel muito tem feito. Visivelmente é claro.
Quanto a mim e pouco conhecendo a pessoa em questão tenho a dizer que quando vamos ás suas paroquias é sempre muito aclhedor, está sempre pronto a dois dedos de conversa, o que para nós é sempre enriquecedor pois é escutar muitas vezes um testemunho de algo que um dia teremos a oportunidade de exprimentar se Deus, achar que somos suficientemente bons para o seu percurso.
Finalizando digo que Deus não escolhe os formados, vai ao longo da vida formando os escolhidos, tendo a certeza que a perfeição é algo a que muitos aspiram mas que só Ele a tem.
Um forte abraço!