04 novembro, 2007

Arquitectura ultra-moderna!

Metade de urze, metade de metal!
Metade verde, metade vermelho!


Mesmo assim, com estas misturas todas, ainda existem espaços desprotegidos - nem urze nem metal - e que constituí sério perigo a quem aproveita este miradouro, localizado nesta antiga Estrada Regional, junto do sitio das Cruzinhas, Faial, para apreciar a beleza da paisagem sobre a Fajã da Murta e Lombo Galego.

Foto Berdades - Outubro 2007

5 comentários:

CGS disse...

Mas que vergonha e desleixo!!
Onde está a responsabilidade dos nossos governantes ao deixarem isto assim?
Francamente!

Fabio Caires disse...

Bem antes de mais quero dar os meus parabens ao Sr. Marcelino pelo blog e pelo seu trabalho que ai tem apresentado. É a primeira vez que eu faço um comentário no seu blog, mas em contrapartida visito mt, isto é, sempre que posso! Bem, visto que sou da fajã da murta não podia deixar de dar uma palavrinha em relação ao miradouro, é verdade aquilo está mesmo um perigo mas a camara não faz nada para melhorar aquele espaço, já há muito tempo que está assim, só há cerca de um ano é que fizeram aquela arquitectura em ferro. Mas enfim, enquanto não houver uma desgraça nada é arranjado! Mas olhe que aquela varanda de ferro aguentou muito vinho seco e cerveja no dia do rali, se não fosse aquilo algum ia bater lá em baixo, atraz da minha casa! He! He! Continuação de um bom trabalho, olhe dê um abraço meu ao "compadre jodé"...Força

bernardino martins (Paignton/UK) disse...

E bom novas estradas, nao tenho nada contra isso, mas penso que a seguranca da populacao deveria estar em primeiro lugar.Espero que as autoridades resolvam este problema bem captado pelo Berdades.Obrigado.

DAISY disse...

Sem dúvida que o senhor ou senhores que pintaram a varanda são Maritimistas ferranhos...

Anónimo disse...

Sem dúvida que a preocupação principal é a segurança.
Mas fazendo jus à tradição portuguesa do desenrrasque, podiam usar aquelas grades móveis que os polícias usam para condicionar o trânsito, de preferência amarelas, colocando-a no meio das grades já existente o que culminaria num tributo à bandeira portuguesa.
E sempre podiam usar a grade noutras ocasiões.
Assim, para além de garantir a segurança dos transeuntes,estariam a reciclar material, bem como o supra referido tributo à bandeira portuguesa.
Só que,os políticos não conseguem ver estas coisas.
As pessoas é que têm de ter olhos e sentido crítico.
É ou não é berdade, Berdades?
SÓNIA ALMADA