03 maio, 2009

Dia da Mãe.

Tal qual no dia do Pai, hoje dedico esta música a todas as MÃES, especialmente à minha que por sinal também usa o nome igual ao da Santa Padroeira da música: Cecília.

4 comentários:

Casa do Povo São Roque do Faial disse...

!Mãe, nome tão pequenino
E que tanto amor merece
Que por força do destino
O bom filho nunca esquece..."

Desejamos um Feliz Dia da Mãe.

silvia_vdfr disse...

Feliz Dia da Mãe, em Portugal é claro !! Na França sera no dia 7 de Junho, mas aqui fica, desde ja, umas palavrinhas para a pessoa mais importante da minha vida :
"Oh l'amour d'une mère !
Amour que nul n'oublie !
Pain merveilleux qu'un Dieu partage et multiplie !
Chacun en a sa part et tous l'ont en entier."(Victor Hugo)
Il nous arrive trop rarement de te le dire, au risque de paraître ingrats et négligeants, mais nous te sommes en réalité très reconnaissants de tout ce que, jusqu'ici, tu as accompli avec amour et dévouement pour nous, tes enfants.
Heumm, aqui fica também um pensamento para a minha avo (Mariazinha do Quintal)... foi mãe 2 vezes : mãe dos filhos e mãe dos netos !!!!

Bruder disse...

ACTO DE FÉ NUM LIDER QUE DESCONHEÇO.

Não sei se terei pachorra para entrar no jogo dos bloggers anónimos, nem sequer se o esforço vale o objectivo. Se não fora um “Da Purificação” que estivera à frente dum “ Terreiro da Luta “ e acolhe as palermices escritas por lá, e sendo o dito afinal um destro usuário da Palavra, o que me alegro por tal, certamente passaria ao largo, e contemplaria distraidamente,as cagarras várias que esvoaçam.
Pois bem .
Ainda hoje alguém ligado a comunicação, dita social, nesta Ilha dizia que os blogues começam a ser uma terceira força alternativa na informação. Queixava-se no entanto o dito , dizendo que nestes espaços se lança o insulto gratuito, a verborreia a leilão, deixando um rasto de calunias e meias verdades, sem possibilidade de réplica, pois mal esguichado o espirro,retira-se a pluma para a fossa comum. Assim é de facto, e pode-se facilmente constatar. Mas é o preço a pagar pela chamada “ liberdade de opinião”, embora essa liberdade tenha anexado as responsabilidades civis e criminais de quem as lança., quando são infundadas e tremendamente injustas. Nunca há que esquecer também esta faceta legalista, pouco usada ainda entre nós, é certo, mas contemplada nos códigos da Republica que nos encoberta.
Vamos então colocar como hipótese que o AJJ anda há anos tentando saber duas coisas; se nas profundezas dos oceanos que nos cercam há petróleo, logo uma fonte “ milagrosa de auto-sustento” económico, e se é viável a sua exploração. Na havendo, ou pelo menos não tendo acesso a essa informação na posse dos grandes grupos exploradores que esses sim têm as ferramentas de o confirmar ou desmentir, e obviamente não o fazem, quais as outras alternativas para que este conjunto de Ilhotas perdidas no Oceano em paralelos africanos, se autonomizem e tenham os meios económicos sustentáveis para levar por diante uma autodeterminação ampla, ou mesmo uma Independência, da Nação Europeia que nos “ ampara” há séculos.
È do conhecimento publico que durante anos foram sondadas as comunidades madeirenses no exterior, e suas capacidades de resposta neste assunto.
È também de conhecimento publico as mil e uma sem-razões que a Republica Portuguesa , ao sabor dos mais variados Governos limitou, por razões diversas, mas nem sempre esclarecidas, as tentativas de uma real e justa Autonomia, somente atenuada nos últimos 20 anos pela União Europeia , e o sábio aproveitamento que fizemos nesta Ilha das verbas postas ao nosso dispor, mas não entregues de mão beijada. Foi necessário equipas de juristas , economistas, engenheiros e muita perícia técnica -financeira para as rentabilizar no tempo e no espaço, e sob condições controláveis pelas autoridades comunitárias. Ao contrário do chamado Continente, aqui isto é um facto. Era agora , ou nunca. PONTO .Pode-se discutir à posteriori se isto ou aquilo foi ou não acertado, ou quem beneficiou particularmente destes investimentos. São conhecidos de todos, aí estão. A cada um deles gerir essas fortunas face à comunidade onde estão inseridos.

Posto isto, e de uma maneira genérica, admitamos que a era pós-20013 já muito cerca, nos faz visionar um cenário de encruzilhada, onde uma vez mais passaríamos a depender ainda mais da Republica Portuguesa, sem ter ao nosso alcance as ferramentas jurídicas -constitucionais que nos permitissem , de uma maneira efectiva e actuante, lançar o desafio da nossa maturidade como Povo, sem enveredarmos por labirintos traiçoeiros, cujas consequências sociais seriam desastrosas, se não fossem ajuizadas com saber e muito sentido comum. E isto requer muito conhecimento, muitos enlaces, muitíssimos contactos. Muitos interesses a despertar, outros a sobrepesar, mas todos a considerar. O objectivo final seria garantia dentro das humanas previsões o futuro a longa prazo de uma Pátria que se afirma, a Pátria Madeirense.
Sem vos maçar muito, vejamos quais as primícias já reunidas para uma possível operação do “Grito da Liberdade”:
Um Território, com fronteiras naturais, sem conflitos de vizinhança.
Um Líder que mal que bem, unificou a maioria da População que habita esse território, e pode na devida altura ser o elo de consenso e união, marcando a vontade colectiva na sua grande maioria. Mesmo parecendo folclore foi esse o objectivo nestes últimos 30 anos, invertendo as atitudes de desprezo pelo Madeirense, para o orgulho de ser Madeirense , mesmo com as diferenças que nos marcam. Que muitas vezes nos distanciaram, mas que nos caracterizam, mesmo se isso nos faz apelidar de “ Povo Superior”.Queiramos ou não, não há outro líder que não seja AJJ. Podem cobrir-se de cinzas, espernear, argumentar enraivecidos, mas sem ele, tanto o PSD-M como a chamada Oposição,e isto escrito nos princípios de Maio de 2009, não têm capacidade de mobilização. PONTO.
Além disso, e aí está, dotamos-nos de portos, cuja finalidade ainda não está bem determinada. Mas ao construíamos com 80% de ajudas externas, ou construíamos neste contexto e espaço, ou nunca ,possivelmente.
Idem para as estradas, túneis, caminhos,e veredas, avenidas e habitação social, escolas , dispensários e centros de saúde, hospitais e clínicas, sem esquecer todas as obras anexas aos serviços sociais, muitos deles anexados à Igreja maioritária do nosso Povo. Factos.
Exportamos, pelas mais diversas razões o que melhor temos, por impedimento de os ocupar dignamente nesta Ilha ; O Madeirense, por norma, empreendedor e persistente.
Consequentemente, colonizamos , nós também, outros locais e Povos. Na devida altura influenciaremos, e já o estamos a fazer, as decisões politicas, diluindo pequenas Madeiras entre continentes,marcando a diferença da Nação Colonizadora agora presente entre Nós. Somos um elo de comunicação diferente, com os Povos ex-colonizados, pois sabemos o que é ainda estar colonizado. Que o digam os Madeirenses na Angola actual, e na diferença de trato que são beneficiários do Povo Angolano.
Temos uma Comunidade na Emigração das mais pujantes e acolhe-mo-los com toda a fraternidade quando as condições são adversas nos seus locais de residência. Escutem os Madeirenses -Venezuelanos, que ainda permanecem entre nós. Até já falamos “ mirês “.
Das equipas da construção saíram técnicos e pessoal especializado que agora começam a operar muito além das fronteiras nacionais. Deixarão as sementes, e frutificará a influencia para outros mais empreendimentos. Somos bons naquilo que fazemos, pois hemos feito na nossa própria Terra. Com são orgulho, mas de cabeça levantada. Longe vão os tempos do “Vera Cruz” e do “ Santa Maria” e da malinha de cartão na mão.

Mas isto ainda é insuficiente , embora imprescindível, para qualquer acção neste sentido, como é óbvio.
O que não temos:
Meios de sobrevivência sustentável. A tal economia tão fugidia e imprevisível num mundo global, onde se notou alguma ignorância daqueles que tanto doutoravam com as suas certezas.
A nossa maior industria, se o é, o Turismo,é volátil. Que o diga esta crise económica , e a chamada gripe A.
Importamos o que comemos, pescamos pouco e mal, cultivamos o que podemos, e depois de uma distribuição e procura de água, na qual gastamos muitos meios postos ao nosso dispor, continuamos a ser deficitários num contexto de consumo a médio espaço.
Exportamos pouco e mal. As guerrilhas entre concorrentes corroem a maioria das propostas no sentido de abarcar maior quota de mercados, e no caso da banana, é patético o que está acontecendo.
Não temos certamente consensos entre fracções politicas. Lamentavelmente, diga-se. Poucos foram e são aqueles que interpõem os seus interesses imediatos e muitas vezes privados, ao serviço da Causa Comum. As razões são variadas, mas todas poderiam ter tido solução, desde quando e sempre houvera um objectivo comum a atingir, no médio e largo prazo. Não havendo, houve que deixar essas facções se auto-mutilarem, até ao esgotamento paralisante. Estamos nesse ponto, o que não é aconselhável, mas necessário .Dessas cinzas surgirão certamente os novos Félix que compreenderão o Objectivo Final, e certamente marcharão lado a lado , no momento oportuno.

Longo vai o comentário, e podíamos continuar, com boa-fé e sentido comum a tentar reflexionar mais além da aldraba que nos impede ver para além do nosso próprio nariz, e análise dos nossos umbigos narcisistas.
De que comentavam os Cavalheiros ? Das despesas de quem ? E das “ amantes de que “ e “quando “ ? Das viagens “ secretas” e dos gastos provenientes do Erário Publico, é?E se justamente tudo isso fora por uma Causa do nosso próprio Povo, numa tentativa quase angustiante para Lhe encontrar uma saída neste beco de 500 anos ?Onde ficarão as “ D. Elias”, as reles a malvadas insinuações, as intrigas e vómitos, se tomamos por hipótese, tudo fora para clarificar, preparar, arquitectar, todo o Destino de um Povo que sempre teve nas nações Longínquas os naturais acolhedores deste Povo? Enquanto isso a Republica que ainda nos tutela,nos escarnecera, e escarnia. marginalizava,e marginaliza,como gente menor, com a altivez de um ex- Império de pacotilha disseminado pelos quatro cantos do mundo, agora enrugado e envelhecido, deixando já de parir crias para seu próprio sustento, tentando tragar o que ainda lhe resta de cauda vampiresa.
Para descanso das almas penadas, e outras andorinhas viajantes deste espaço; sou do PSD-M, sou do PS, adiro a todas as correntes e discursos, suporto malandros engravatados, ladroes com anel de licenciados, jornalistas lambões de gamela, comunistas, fascistas,empregados, desempregados, livres, com ou sem avental, desde sempre e quando sejam no momento exacto do encontro com a Historia, MADEIRENSES. Serão, são, meus irmãos de uma Causa Comum. Entretanto, divirtam-se, mas sempre com sentido-comum.

Anónimo disse...

"Escrevi a dourado, porque para mim vales ouro!" (do Di para mim)
De todo o poema para o dia da Mãe, foi esta a parte que eu mais amei...
MFCC