22 outubro, 2009

Quando é o Natal? É sempre que os comerciantes quiserem!

Faltam mais de 2 meses para o Natal mas as montras dalgumas lojas da cidade do Funchal já se encontram, há mais de 2 semanas, decoradas com artigos próprios daquela época. Pena que o subsidio de Natal ainda só venha lá para final do próximo mês.
Qualquer dia as lojas possuirão uma montra fixa ao longo do ano e para cada quadra: Namorados, Carnaval, Páscoa, Verão, Bruxas, Natal, etc.
O berdades aconselha aos comerciantes que optarem por esse tipo de montras fixas, que destinem um espaço destinado a uma época muito em moda: Montra da Crise!
(foto berdades 22-10-09 Funchal)

5 comentários:

Saramaguinho disse...

Isto só vem demonstrar a verdade que José Saramago escreve no livro Caím.
A Igreja/Natal é mais pelo comércio que pela fé!
depois reparem em quantos actos religiosos feitos dentro da igreja são chorudos negócios: Casamentos, baptizados, e outras festas...

Anónimo disse...

Concordo plenamente com o saramaguinho e acrescento que deveria haver um regulamento que proibisse estas forma de comércio antecipado. O Sr. Sá sabe muito bem o que faz mas os Chineses vão tramá-lo.
Um Funchalense

Anónimo disse...

Bem apanhado compadre Jodé! Estas campanhas antecipadas levadas a cabo por muitos comerciantes são tão despropositadas e criam uma sensação tal... que parece estarmos a alucinar! Então e o "carpe diem"?!?!? Não era suposto vivermos cada momento saboreando as sensações que em nós despertam, de forma a vivermos em harmonia connosco e com os que nos rodeiam!
Enfim...as estratégias de markting dos comerciantes parecem ser estas...(lamentavelmente).
Já agora aproveito para dar o meu "quinau" acerca de um comentário (saramaguinho): é pena que pessoas com tanta capacidade e tanto poder de argumentação e crítica confundam Igreja com Natal e "Igreja/Natal" com markting e comércio!!!
Reparem bem numa coisa, a Igreja enquanto instituição é possuidora de defeitos, pudera, ela é feita de Homens e Mulheres, é tanto santa quanto pecadora, mas não é responsável pelas campanhas de comércio "fora de época".
Quanto àquilo que apelida de "chorudos negócios", nem merecia comentário, pois, nem é negócio, e sendo actos religiosos (alguns até sacramentos) é lógico que sejam passíveis de honorários, que, contudo, não são chorudos.
Continuações,

Correia, Santana

Anónimo disse...

oh Srºou SrªCorreia, tenho de concordar consigo quando diz que estas campanhas não devem ser  conotadas com a igreja, agora acho muito estranho que fique com uma sensação tal..., com estas campanhas levadas a cabo pelos comerciantes, e ache normal que a Igreja se aproveite da FÈ e da ignorância das pessoas pra fazer muito dinheiro, dinheiro este livre de impostos, mas isso já não lhe causará aquela sensação tal....

PS: em certas paroquias até pra tocar o sino é preciso pagar, veja o ponto a que isso chegou

A Igreja tem muito mais de pecadora do que de santa, e esta verdade custa a muita gente

Francisco Vasconcelos disse...

Eu acho que é perfeitamente normal essa situação. Ora vejamos, antes apenas havia uvas "no tempo das uvas", apenas havia morangos "no tempo dos morangos", agora há uvas, morangos e muitas outras frutas (e não só) durante todo o ano e poucos reclamam!
...porque não colocarem anjinhos, vaquinhas e outras figuras que, sem querer, fazem lembrar o Natal a serem comercializadas "quase" no verão?

...e sempre ouvi dizer que Natal é sempre quando o Homem quer...e a mulher deixa. ;) abraço