20 janeiro, 2010

Louvada por 4 dias de trabalho!

Pelo menos é tudo às vistas e às claras, pois consta de 2 avisos publicados no DR, mesmo que nem todos tenham acesso. Não será por coincidência que a louvada tenha Cunha no nome!
Grande país este de pequenos trabalhos mas de grandes louvores!


13 comentários:

Teresa disse...

Não imagino o que esta senhora fez, mas tenho a certeza que foi "muita boa!"

izzie disse...

Uau!

Portugal no seu melhor!!!
Isto é que são Berdades (tens a certeza que não és do Nourte?!)

Obrigada por me "descobrires".

Beijinho,

Ceregi disse...

Realmente há coisas que de tão incríveis e absurdas, pensamos serem impossíveis de acontecer!...
Quantos andam por aí a se estafarem 30 ou 40 anos e nem um agradecimento?

direitinho disse...

Um grande abraço a quantos e quantas
trabalham uma vida inteira sem um simples reconhecimento.
Políticas e políticos sujos......

Bloguótico disse...

Parece-me que não foi louvada por 4 dias de trabalho, mas sim de "trabalho"! LOL

Katia disse...

Puxa, que senhora competente!! rssss....quais outras virtudes faltam à referida senhora??
puxa! mostrar-se leal, competente, dedicada e ter excelentes qualidades profissionais e pessoais em apenas quatro dias não é para qualquer mortal não...rsss

Casa do Povo São Roque do Faial disse...

É por esta e por outras que o país está como está...

Anónimo disse...

Pois se ao contrário de uma mulher o elogio fosse feito a um homem ...aí sim era de toda a justiça e não era tido como "muito bom"
Já agora falando em estudos feitos! Há um que conclui que a sociedade está a ficar obesa, não por maus hábitos de alimentação, mas por inveja desmedida.

Anónimo disse...

Relativamente a este assunto apenas um pequeno reparo. Pelos vistos a história não foi tão linear quanto possa parecer de início: Deixo uma parte de um post num blog (que indicarei caso o dono desta mercearia assim o entender):

"Nota de esclarecimento: Afinal, veio a saber-se que a funcionária em questão, independentemente de ter sido nomeada pelo Despacho 26370 de 2009, a que me referi, tinha também já sido nomeada pelo Despacho 8232/2005. Como o despacho 26370 não falava de recondução, nem o Despacho 26371/2009 tão pouco referia essa situação, a única coisa que logicamente um cidadão poderia concluir era que a funcionária tinha sido louvada por um trabalho de quatro dias. Pura incompetência do redactor, susceptível logo de atingir a funcionária nomeada. É que os Despachos não se destinam aos Colaboradores ou iniciados do Gabinete, mas aos cidadãos em geral. Independentemente disso, e por uma questão de boa fé, aqui fica o registo. E as desculpas à interessada, vítima em primeiro lugar da incompetência dos serviços."

silvia_vdfr disse...

Incrivel mas verdade !! Que coisa... a vida é injusta ! Eu que faço quase "milagres" em ortopedia nem um obrigado se recebo...

silvia_vdfr disse...

Sera a Monica Lewinsky portuguesa ??? Simples pergunta...

manuel afonso disse...

Que é muito estranho isso não há dúvidas.
Eu já tinha colocado no meu blog cogitar, um post semelhante, que recolhi num outro de nome sorumbático. Isto para dizer, que o comentário do anónimo que antecede não foi suficentemente esclarecedor para suster o propagar da notícia. A redacção não é ambígua e os efeitos legais têm consequências, mesmo para saber de quando é devida a remuneração.
Não deixa de ser verdade, por outro lado, que muitos, bem capazes, se esforçam uma vida inteira e nada de louvores.

Anónimo disse...

O facto é que a referida sra desempenhou funções de 2005 a 2009 e não apenas 4 dias como é referido. A questão da publicação pode eventualmente gerar alguma confusão mas os factos são estes e não podemos e não devemos aproveitar qualquer coisa para criticar, principalmente quando existem outras coisas bem mais graves. O insulto fácil não cai bem em nenhuma situação. Quanto oa facto de existirem outras pessoas que podem merecer mais uma distinção ou louvor não coloco isso em causa o que não significfa que a sra em causa também não o possa ser.

Declaração de interesses: não conheço a sra em causa