08 julho, 2010

É com cada uma que...dá duas!

O Berdades até entende e não se admira como muitas pessoas o fazem porque, afinal de contas, quem precisa de saber nadar é quem eventualmente esteja aflito e não quem está na beira da piscina para atirar uma corda ou uma boia! Será isto que esteve na base da contratação?
Até a a barraca abana!
(imagem recebida por mail - clique para ver em tamanho grande)

5 comentários:

Gil Pereira disse...

Função publica é sempre função publica... =D
estamos cansados de chegar a um departamento publico e quem nos atende não faz ideia do que está ali a fazer... é caso, infelizmente, muito comum... por isso não vejo qual o espanto de contratarem para salva-vidas uma pessoa que não sabe nadar...

Bloguótico disse...

Acho que a tua introdução diz tudo! LOOL

Brown Eyes disse...

Berdades interessante esta notícia mas, Caro Gil, isto não tem nada a ver com Função Pública mas sim com cunhas, é diferente não te parece? É que o pessoal da função pública não entrou todo como essa senhora, fizeram concurso e prestaram provas. Também é verdade que enquanto na privada é obrigatório terem determinadas horas de formação por ano, na função pública apesar de obrigatório não têm. Há quem tenha pago toda a sua formação. Atirar pedras é fácil chegar ao fundo da questão não é para todos não é? Essa senhora não é funcionária publica de certeza, pode é ser uma contratada o que também é diferente. Enfim...mitos. Berdades vim comunicar-te que tens uma surpresa no meu blog. Desculpa este desabafo mas, os funcionários públicos andam fartos de pagar a crise, são aqueles que pagam impostos, não podem fugir como fazem os outros e ainda são apedrejados. Please deixem-nos em paz porque os altos ordenados, as cunhas e as incompetências parece proliferarem na privada e ninguém fala delas. Se as há na função publica são as altas individualidades, ponham-nas na rua, mexam-se. Deixem os pequenos e atirem nos grandes em vez de votarem neles e me obrigarem a aturar a sua incompetência.Obrigado. Beijinhos

Ceregi disse...

É a cultura que temos...
A realidade que muitas vezes teimamos em não observar: são assumidos papéis ou funções de uma forma pouco clara mas que enquanto não causarem um dano maior, assim permanecem.
Na situação referida no post do Berdades, a senhora ficou estupefacta (e com razão) com tal "nomeação" e mais uma vez demonstrou-se a "face oculta"e a incoerência da lei da mobilidade!

silvia_vdfr disse...

Uma berdade assustadora !!!