02 novembro, 2011

Médico Dentista de Santana ganha 1º Prémio em Investigação Cientifica.


A decisão foi conhecida no decorrer do XXXI Congresso Anual da Sociedade Portuguesa de Estomatologia e Medicina Dentária realizado recentemente em Coimbra (22 e 23 de Outubro) e valeu a este nosso conterrâneo e amigo (radicado em Coimbra) o 1º Prémio de Investigação Científica, com o trabalho "Produção e caracterização de matrizes biodegradáveis para regeneração pulpar".
Médico Dentista, Licenciado em Medicina Dentária pela
Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC).
Assistente Convidado da disciplina de Endodoncia na FMUC.
Pós-Graduação em Dentistaria Operatória pela FMUC.
Mestrado em Patologia Experimental pela FMUC.
Aluno de Doutoramento de Ciências da Saúde na FMUC.
À nossa reportagem Paulo Palma referiu que foi coadjuvado neste trabalho por Paula Ferreira (CIEPQPF, Departamento de Engenharia Química, Universidade de Coimbra), Ilídio Correia (Centro de Investigação em Ciências da Saúde, Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade da Beira Interior, Covilhã) João Carlos Ramos e João Miguel Santos (Medicina Dentária, FMUC) e que na sua essência este trabalho consiste no tratamento de um dente permanente jovem com necrose pulpar e uma raiz com desenvolvimento incompleto. A perda de vitalidade pulpar antes do final da maturação radicular condiciona uma elevada fragilidade radicular resultante da reduzida espessura das paredes dentinária, o que facilita o desenvolvimento de fraturas. Além disso, a relação coroa/raiz desfavorável potencia a degradação do estado periodontal destes dentes. Por conseguinte, a preservação da vitalidade pulpar deve ser sempre que possível tentada e, na presença de periodontite apical num dente imaturo necrosado, o tratamento ideal seria a revascularização / revitalização, que pressupõe o restabelecimento de vascularização no interior do espaço pulpar de modo a possibilitar a reparação e regeneração do complexo dentino-pulpar. Este novo paradigma necessita de ser optimizado com o desenvolvimento de materiais e estratégias que promovam um prognóstico mais previsível desta abordagem. Uma dessas estratégias é a engenharia de tecidos, que tira proveito do uso de biomateriais como suportes/matrizes destinados a funcionar como estruturas 3-D capazes de apoiar o crescimento e diferenciação celular, bem como promover a adesão celular e migração.
Em termos menos técnicos e científicos “traduziu” aos leitores do berdades na seguinte forma:
O dente tem duas porções, uma coroa (parte visível) e uma raiz (a que está no interior do osso). Existe ainda uma outra estrutura, a polpa dentária, que está presente no interior do dente (conhecida por "nervo do dente"). Este tecido é muito vascularizado e enervado, sendo responsável por inúmeras funções, como a nutrição, a sensibilidade, a defesa e a formação de tecido dentinário (crescimento do dente).
Então, se um dente em que a raiz esteja em formação (dente imaturo - presente nas crianças/ jovens) for afectado por um traumatismo ou cárie, poderá existir lesão  da polpa e mesmo infecção, fazendo com que o crescimento dentário pare.
Geralmente, o tratamento destas situações é endodôntico (ou seja, “desvitalizar” - compreendido como tirar a vida ao dente). Mas, existe actualmente outra possibilidade para o tratamento destes dentes imaturos infectados que é a revitalização (ou seja dar vida ao interior do dente para continuar a crescer).
Tendo por base este último ponto, desenvolveu-se o presente trabalho que visa criar suportes/matrizes para colocar no interior do dente, possibilitando a regeneração pulpar.
Por último, referiu que “Neste trabalho premiado, apresentamos apenas os resultados dos estudos preliminares. Neste momento estão em curso estudos animais (in vivo), a fim de determinar a sua aplicabilidade clínica.
Pelo feito, de que também o berdades se orgulha, endereçamos os parabéns ao Dr. Paulo Palma e sua equipa.

Sem comentários: