10 fevereiro, 2006

Mistérios a (des)Norte.

Hoje na edição do DN, secção "Cartas do Desporto" podemos ler:
Aqui há gato! É desta forma que podemos concluir pela permanente ausência do ex-treinador da U.D. Santana, professor Luís Miguel Vieira, nas suas funções de funcionário do referido clube, onde se encontra em regime de destacamento.
Há cerca de um mês escrevi sobre o "desaparecimento" misterioso do referido ex-treinador da U.D. Santana, o qual tinha deixado de ser treinador da equipa sénior mas que nem por isso tinha deixado de ser funcionário do clube, pois encontrava-se profissionalmente ligado ao clube em regime de destacamento (dos muitos que o Governo Regional distribui pelos clubes madeirenses). Referi ainda que ninguém sabia onde o mesmo assinava o "livro do ponto" e trabalhava pois, desde que deixou de treinar, nunca mais ninguém o viu em Santana.
Ao contrário de outros treinadores, que são despedidos dos clubes nessa condição, mas não como funcionários, como é o caso do prof. Juca que continua no Maritimo, o prof. Luís Miguel Vieira pelos vistos foi "despedido" das duas funções - treinador e funcionário.
Será isto possível?
Mas, mistério é o que não falta naquele clube. Atente-se que, para além da recente limpeza de balneário, com a contratação de mais um "braçado" de estrangeiros, registou-se também a "misteriosa " limpeza da lavandaria, que culminou com o afastamento da funcionária da C.M. Santana, que ao longo de mais de 15 anos a lavar equipamentos do clube agora foi posta na rua e entregue ao seu patrão e maior accionista do clube - a C.M. Santana.
Há quem diga à boca pequena que alguém do clube ter-se-á apercebido de um suposto cheiro a mofo nalgumas camisolas que nem as bolas de naftalina conseguiam tirar, bem como foram encontrados uns pozinhos brancos na roupa que fez suspeitar a "mau-olhado".
Julgaram então que havia sido detectado o problema dos maus resultados e a chave da questão passaria por mudar de "lavadeira" e trocar as fechaduras da lavandaria. Dito e feito, mas lá continuam a marcar passo para a subida de divisão. Não há-de ser coisa que uma consulta ao Mestre Mamadu não resolva. Já estou mesmo a ver o resultado da consulta ao espírita: cheiro a mofo é a subida de divisão (vista por um canudo) e pozinhos brancos, para além de ser sabão que não derreteu, pode significar aflições económicas. Eu cá não acredito em bruxas mas que existem, existem!
Marcelino Teles.

Sem comentários: